Notícias

6/recent/ticker-posts

‘Ilva Niño faz parte da história da Paixão de Cristo’, disse Nena Pacheco a respeito da atriz pernambucana que morreu nesta quarta (12)

 

A atriz participou do 'Drama do Calvário' nos anos 50. Atriz é viúva de Luiz Mendonça, primeiro ator a interpretar Jesus Cristo em Nova Jerusalém.

A atriz Ilva Niño, que faleceu nesta quarta-feira (12) era Pernambucana,e tinha uma forte ligação com o teatro no estado. Ilva esteve junto com o marido também falecido Luiz Mendonça no início das encenações da Paixão de Cristo de Nova Jerusalém e também acompanhou Plínio Pacheco na construção do grande teatro onde acontece a encenação. Ilva era noiva do ator Luiz Mendonça - o irmão de Diva Pacheco. Já falecido, ele foi o primeiro a dar vida a Jesus dentro das muralhas da cidade-teatro.

A atriz chegou a atuar no "Drama do Calvário", peça encenada nas ruas de Fazenda Nova, que deu origem à Paixão de Cristo. Ela atuava como a samaritana, que oferecia água a Jesus Cristo. Nena Pacheco, filha de Plínio, conta que a tia sempre teve uma ligação muito forte com a arte , que sabia atuar em qualquer área, que nenhum personagem para ela era difícil.

“ A memória da minha tia nunca vai morrer. Ela faz parte da história da Paixão de Cristo de Nova Jerusalém, ela foi uma atriz gigante, além de ter sido um ser humano lindo. Foi minha segunda mãe, me ensinou ver a cultura além das muralhas de Nova Jerusalém”. Disse Nena.

Marina Pacheco, diretora de arte, atriz e ainda sobrinha neta de Ilva, também lembra com muito carinho dela, que inclusive este ano esteve em Nova Jerusalém acompanhando a temporada 2024 da encenação. Marina conta que Ilva estava sempre conectada com a arte e também ajudou a impulsionar outros talentos no teatro como a atriz Tânia Alves e ainda a atriz e cantora Elba Ramalho.

“Ela plantou uma semente no teatro do Nordeste, do Brasil. Cumpriu sua missão de maneira linda. Além ter feito o bem de diversas maneiras.” disse Marina

O corpo de Ilva será velado nesta quinta-feira (13), das 11h às 15h30, e cremado às 16h, no Cemitério São Francisco Xavier, no Caju, Zona Portuária. G1

Postar um comentário

0 Comentários