OFERECIMENTO/ PROPAGANDA

Notícias

6/recent/ticker-posts

Alunos da rede municipal de ensino de Belo Jardim dão primeiros passos no cinema e preparam curta-metragem experimental

Primeira edição do projeto “Cine em Curso” aconteceu no mês passado na Escola Municipal Luiza Leopoldina, no distrito de Xucuru

Alunos da rede municipal de ensino de Belo Jardim estão dando os primeiros passos na sétima arte e iniciaram a produção de um curta-metragem através do projeto “Cine em Curso”. Ao todo, 69 estudantes dos anos finais participaram da ação, idealizada pela produtora cultural, Deborah Abreu, e com a participação dos oficineiros David Biriguy e Heleno Florentino, e apoio da Secretaria de Educação e Tecnologia (Setec) da Prefeitura de Belo Jardim.

O “Cine em Curso” teve o objetivo de fomentar e difundir a cultura e produção audiovisual no interior de Pernambuco e foi lançado com o auxílio da Lei Aldir Blanc Pernambuco, de incentivo à cultura. A primeira edição aconteceu na Escola Municipal Luiza Leopoldina, localizada no distrito de Xucuru. Foram dois dias de oficinas trabalhando os temas “Escrita criativa”, “Transformando palavras em imagens” e “Dando vida ao roteiro”, de engajamento na produção audiovisual local.

Durante as oficinas, os alunos puderam aprender algumas técnicas de produção de forma dinâmica, acessível e objetiva, que resultaram em roteiros de suporte à produção do filme. O enredo, aliás, tem tudo a ver com a educação e conta a história de uma estudante que deseja fazer cinema e compartilha sua vontade com uma amiga. O lançamento do curta metragem, que terá 2 minutos e 37 segundos de duração, será no próximo dia 9, no canal @cineemcurso, na plataforma YouTube. O filme também será exibido aos estudantes na escola.

Na avaliação da Setec, a escola também é um local para explorar a criatividade cultural através do cinema. Segundo a produtora, o objetivo foi alcançado, pois através do projeto os alunos se inspiraram no universo no qual a criatividade é o grande protagonista.

Para Deborah Abreu, as oficinas integradas foram desenvolvidas de forma estratégica, pois os alunos da comunidade não possuem acesso às temáticas. Ela destacou o empenho e engajamento dos participantes aos escreverem os roteiros e construírem os personagens.

“Foi lindo vê-los empolgados e os momentos mais divertidos sempre acontecem durante as gravações. Eles amam conhecer e manusear os equipamentos, se divertem atuando, escolhendo o figurino e construindo os cenários. Ver essa participação ativa faz todo o projeto valer a pena”, declarou Deborah.

Postar um comentário

0 Comentários