ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Consumidores sentem impacto do aumento de preços na alimentação



A pandemia do novo coronavírus fez com que as famílias sentissem o impacto no bolso com relação à compra de itens alimentícios. Um levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostrou que os alimentos tiveram impacto nas famílias, respondendo por 34% da inflação nas de baixa renda.

Alguns itens comuns da cesta básica, como feijão, arroz, macarrão, açúcar, frutas e verduras, além da carne, tiveram aumento nos últimos meses.

A dona de casa Rosana Menezes, que mora com o filho, gastava em torno de R$ 400 na feira mensal. Agora, precisa desembolsar quase o dobro. "Você vê um aumento muito grande de janeiro para cá, principalmente nesse período da pandemia. A parte de alimentação aumentou bastante, tanto em mercado como em feira livre, principalmente a carne", contou.

Em um supermercado de Caruaru, no Agreste de Pernambuco, a reportagem da TV Jornal Interior encontrou o quilo de arroz a R$ 3,49, o de feijão quase R$ 10. O óleo está custando R$ 4,79; o açúcar R$ 2,39; o pacote de fubá R$ 1,39 e a carne, quase R$ 30.

De acordo com o gerente de um supermercado, Ivanildo Rodrigues, os impactos da pandemia fizeram com que os preços dos produtos fossem afetados. "Essa demanda das indústrias e as dificuldades na logística de transporte de alimentos e a demanda em si pelo consumo, acabam repassando para os mercados alguns produtos com aumento. Isso acaba repercutindo para o consumidor final", destacou.

O gerente de outro supermercado, Wesley Cunha, espera dias melhores com a estabilização dos números da covid-19. "Desde que começou a pandemia, vários produtos tiveram um aumento devido à alta do dólar, muitas empresas estão trabalhando com quadro reduzido. Mas a perspectiva é dar esse retorno. Alguns itens da cesta básica começaram a voltar [ao que eram]".
NE 10 Interior

Nenhum comentário