ÚLTIMAS NOTÍCIAS

‘Muitos cristãos não conhecem as prioridades de Deus’, afirma pastor


Em sua coluna no site Goshen News, o pastor Karl Shelly defende o envolvimento dos cristãos com o Cristianismo que importa para Deus, que é cuidar dos mais vulneráveis: “viúvas, órfãos e estrangeiros”.

Pastor da Assembly Mennonite Church, em Indiana, nos EUA, Shelly escreve para responder à pergunta “O que é um verdadeiro cristão?”

Segundo ele, essas perguntas podem provocar respostas apaixonadas. “No entanto, como pastor de mais de 20 anos, eu me preocupo mais com o que significa ser cristão. Minha perspectiva é moldada pelos escritos da Bíblia, pelas tradições de longa data e pela maneira como o espírito de sabedoria continua a revelar a verdade para nós hoje.”

Shelly afirma que esse fato por gerar o seguinte problema: “nem a história, a sabedoria, nem a Bíblia fornecem uma resposta simples e consistente para essa pergunta. Em vez disso, eles apontam em mais de uma direção.”

O pastor diz que até a Bíblia oferece perspectivas diferentes sobre a natureza e os propósitos de Deus. “Isso não é surpreendente para um livro com partes escritas há mais de 2.500 anos atrás, por dezenas de escritores diferentes, e que inclui quatro versões separadas da vida de Jesus.”

Quanto a essa questão, Shelly tranquiliza as pessoas: “Não tema. Essas diferenças não são um problema a ser ignorado ou negado. Elas simplesmente refletem a rica diversidade presente na experiência humana. Cristãos sérios são chamados a discernir quais temas e mensagens da Bíblia são mais importantes e atemporais.”

Aprendendo sobre o que importa no Cristianismo
“Quando eu era jovem, aprendi como os outros entendiam o cristianismo. Amigos meus enfatizaram como o pecado nos separa de Deus e avisaram que, a menos que eu tomasse as medidas necessárias, seria banido para um inferno ardente quando morresse. Era uma teologia de ameaça e terror”, explica.

O pastor disse que após a explicação, vinha o que ele chama “cláusula de escape”: “Confesse seus pecados e declare sua crença em Jesus Cristo como o Santo Filho e Salvador de Deus, que morreu na cruz para expiar seus pecados. Se você fez isso, disseram-me, uma vida após a morte muito mais feliz o esperava.”

Shelly diz que essa é a maneira comum nos Estados Unidos para evangelizar. E que foi oferecida como "verdadeiro cristianismo" por alguns. Ele diz que o foco está na “vida após a morte, faz distinções claras entre quem está (o ‘salvo’) e quem está perdido, e sua principal missão é instar os outros a esse modo de acreditar. Existem versículos bíblicos e uma tradição que apoia essa perspectiva.”

O pastor diz que para outros cristãos, inclusive ele, “esse modo de crer não combina com uma leitura mais ampla da Bíblia; não é consistente com a vida e os ensinamentos de Jesus; e não consegue responder às questões complexas da vida. Felizmente, existe uma maneira bíblica e honrada de entender o significado do cristianismo.”

Mensagem abrangente
Shelly destaca as mensagens abrangentes da Bíblia com uma sinopse de três pontos: “1) Deus cria o mundo; 2) o mundo se perde; 3) Deus procura restaurar (ou ‘salvar’) o mundo para a glória pela qual Deus o criou.”

Ele diz que “a palavra da igreja para este projeto de restauração é ‘salvação’. É uma palavra que significa ‘tornar-se inteiro’ e ‘ser curado’. A Bíblia enfatiza que a salvação é algo que pode acontecer aqui e agora, e não apenas na vida após a morte celestial. E essa cura é para indivíduos, sociedades e toda a criação.”

Ao responder sobre quem são os cristãos, Shelly diz que “são pessoas que acreditam que Jesus nos mostra o caminho para participar do projeto de restauração de Deus. Jesus fez isso falando sobre ‘o reino de Deus’. O reino de Deus reflete como as coisas seriam se seguíssemos o sonho de Deus para o mundo.”

Cuidar dos vulnéraveis
O pastor aponta qual seria o sonho de Deus. “Jesus ensinou que se trata de cuidar dos vulneráveis; aqueles a quem as Escrituras Hebraicas se referem como ‘viúvas, órfãos e estrangeiros’ (Deuteronômio 24). Ele disse que se trata de atender às necessidades dos famintos, doentes e presos na prisão (Mateus 25); trata-se de redistribuir riqueza aos pobres (Lucas 19); e, em vez de honrar os ricos e privilegiados, este reino elogia os mansos, os perseguidos e os pacificadores como abençoados. Talvez o mais chocante, no reino de Deus, os inimigos não se encontrem com muros ou retaliação, mas com amor (Mateus 5).”

Shelly diz que o reino de Deus é radicalmente diferente de como os reinos e as nações do mundo operam. “Os valores de Deus tendem a confortar os aflitos e afligem os confortáveis. Essa inversão da maneira como as coisas são é por que o povo poderoso da época de Jesus planejou e executou seu assassinato. E ainda hoje, a visão de Jesus desafia nossos negócios como de costume”, afirma.
Fonte: Guiame

Nenhum comentário