ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Pernambuco tem menor número de homicídios desde 2013


Pernambuco chegou, em julho, ao 20º mês consecutivo de redução nos homicídios e ao 23º de diminuição nos roubos. Com 245 mortes, o mês passado apresentou uma retração de 28,2% em relação ao mesmo período de 2018 (341), o que representa uma diferença de menos 96. Desde agosto de 2013, ou um intervalo de 71 meses, o Estado não havia registrado patamar tão baixo nos Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs). Já nos Crimes Violentos contra o Patrimônio (CVPs), o recuo foi de 17,7%: houve 6.401 casos em julho deste ano, contra 7.780 no mês correlato do ano anterior, a menor incidência dos últimos 51 meses – ou seja, desde abril de 2015. Na prática, são 1.379 menos registros de delitos visando à subtração de bens. Essas estatísticas, ainda preliminares, foram analisadas em reunião do Pacto pela Vida, hoje, coordenada pelo governador Paulo Câmara. 

“Verificamos a redução das mais diversas formas de criminalidade em todas as regiões do Estado, de forma consistente. Essa sequência prolongada de queda nos CVLIs e CVPs é um marco na série histórica do Pacto pela Vida, que sinaliza para resultados semelhantes aos alcançados em 2013, ano de maior êxito da nossa política pública de segurança. Mesmo com as disparidades socioeconômicas entre 2013 e 2019, todos os que integram o Pacto se desdobraram para fazer a violência perder campo e dar mais espaço para a tranquilidade e o bem-estar da população”, analisou o governador. 

Considerando os sete meses de 2019, em relação ao mesmo período de 2018, os homicídios tiveram queda de 23,8%. Houve 2.001 mortes este ano, em contraposição às 2.625 no intervalo entre janeiro e julho do ano passado. A diferença foi, portanto, de -624. Em relação aos CVPs, a diminuição, no mesmo comparativo, foi de 16,2%. Foram registrados 48.150 crimes contra o patrimônio nos sete primeiros meses de 2019, contra 57.433 no mesmo período de 2018. Isso significou 9.283 denúncias a menos nas diversas modalidades de crimes de subtração de valores, a exemplo de roubos a transeuntes, assaltos a ônibus, cargas e bancos.    

De acordo com o secretário de Defesa Social, Antonio de Pádua, a diminuição da violência é reflexo de uma série de fatores, como investimentos significativos na área, reforço de efetivo e ajustes operacionais que possibilitaram uma repressão mais qualificada a homicidas, traficantes de drogas, quadrilhas organizadas e assaltantes diversos. “A segurança, priorizada na ordem dos investimentos, ganhou, de 2017 para cá, novos batalhões, delegacias, unidades do Corpo de Bombeiros e da Polícia Científica, além da contratação de mais de 7,5 mil profissionais. O ano de 2020 começará com o reforço de mais de mil policiais militares e civis, intensificando as ações integradas de prevenção e a investigação de crimes”, diz. Fonte: Blog do Magno