ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Consultar adivinhos para prever o futuro não é cristão, afirma o Papa Francisco


O Papa Francisco recordou que é uma incoerência chamar-se cristão e ir a um adivinho que preveja o futuro: “Isso é superstição, não é de Deus”, assegurou. 

“Quantos que se dizem cristãos vão a um adivinho que lhe leiam a mão”, lamentou em sua reflexão prévia à oração do Ângelus deste domingo 18 de agosto na praça de São Pedro do Vaticano. 

Em sua catequese, o Santo Padre fez um chamado à coerência dos cristãos com o Evangelho. 

“Trata-se”, afirmou o Pontífice, “de não viver de maneira hipócrita, mas sim de estar dispostos a pagar o preço da eleição coerente com o Evangelho. Essa é a atitude que cada um de nós deveria procurar na vida: coerência, e pagar o preço de ser coerente com o Evangelho”. 

Nesse sentido, recordou as palavras de Jesus no Evangelho deste domingo, “as quais podem resultar desconcertantes à primeira vista”: “Acham que estou aqui para trazer paz à terra? Não, asseguro-lhes, vim trazer a divisão”. 

O Papa explicou Jesus deveu separar “o bem do mal, o justo do injusto. Nesse sentido veio ‘dividir’, a pôr em ‘crise’ a vida de seus discípulos, rompendo as fáceis ilusões de quantos acreditam que podem conjugar vida cristã e compromissos de todo tipo, práticas religiosas e atitudes contra o próximo, conjugar a verdadeira religiosidade com as práticas supersticiosas”.

“Jesus revela a seus amigos, e também a nós, seu desejo mais ardente: levar sobre a terra o fogo do amor do Pai que acende a vida e mediante o qual o homem foi salvado. Jesus nos chama a difundir no mundo este fogo, graças ao qual seremos reconhecidos como seus verdadeiros discípulos”.

O testemunho do Evangelho “queima toda forma de particularismo e mantém a caridade aberta a todos, com uma única preferência: a preferência pelos mais pobres e excluídos”.

“A adesão ao fogo do amor que Jesus levou sobre a terra envolve toda nossa existência e requer a adoração a Deus e também uma disponibilidade a servir ao próximo”.

“Para viver segundo o espírito do Evangelho é preciso que, sempre frente a novas necessidades que se apresentam no mundo, haja discípulos de Cristo que saibam responder com novas iniciativas de caridade”.
Fonte: ACI DIGITAL

Nenhum comentário