ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Pesquisa aponta que igrejas evangélicas latinas crescem mais que as americanas


Os imigrantes de primeira geração lideram a expansão evangélica latina nos EUA - atraindo mais crentes sem igreja e novos convertidos do que as igrejas nativas. Isso, apesar de ter congregações menores, menos recursos financeiros e tensões em torno da política de imigração dos EUA. 

As informações foram obtidas por um estudo patrocinado pelo Send Institute no Billy Graham Centre, financiado por 12 denominações e pesquisado pela LifeWay Research

O instituto pesquisou 218 plantas de igrejas hispânicas, juntamente com “novas expressões ministeriais”, tais como campi adicionais ou fusões de igrejas. O estudo constatou que 80% de seus fundadores ou pastores líderes nasceram fora dos EUA, assim como dois terços de seus membros em média.
A pesquisa foi apresentada a 120 “plantadores” de igrejas e líderes ministeriais - meio hispânicos - de 65 denominações em uma cúpula no Wheaton College, na terça-feira (23). 

O fluxo crescente de imigrantes latinos para os EUA provocou um debate político acalorado. 

A população latina (refere-se a pessoas de ascendência latino-americana, inclusive do Brasil e do Haiti) está crescendo, especialmente no Sul, onde 59% das 218 novas congregações pesquisadas estão localizadas (metade é batista sulista). E a fé evangélica está crescendo com isso. 

Novos ministérios hispânicos viram uma média de 53 profissões pela de fé nos primeiros quatro anos, de acordo com a pesquisa. Embora sejam tipicamente menores do que a planta da igreja média, eles têm aproximadamente o mesmo número de novos convertidos por ano, tornando-os “evangelisticamente mais eficazes per capita”, disse o diretor executivo da LifeWay Research, Scott McConnell. 

Um quarto dos participantes em novas congregações hispânicas eram anteriormente “completamente sem igreja” (26%), e quase outro quarto antes frequentava uma igreja católica (22%). Apenas 29% eram anteriormente membros de outras igrejas protestantes. 

Isso contribui para que os latinos agora formem uma parcela maior dos evangélicos dos EUA. O Pew Research Center relata que a porcentagem de evangélicos americanos que se identificam como latinos cresceu de 7% em 2007 para 11% em 2014.

Investir tempo em vez de planejar eventos
Pastores latinos que trabalharam dentro e fora dos contextos do ministério hispânico podem atestar as diferenças refletidas nos dados.

Comparando as plantas da igreja hispânica e os novos ministérios pesquisados ​​em 2019 com as plantas gerais da igreja pesquisadas pela LifeWay em 2015, as novas congregações hispânicas tinham duas vezes mais chances de manter as visitas evangelísticas e a divulgação porta a porta, além do lançamento inicial do ministério.

No entanto, era menos provável que novas congregações hispânicas se engajassem na política local ou usassem “eventos sociais divertidos” para conhecer pessoas da comunidade.

Para a comunidade latina, os eventos estruturados e programados não são necessariamente adequados à sua abordagem demorada para construir relacionamentos, disse Marco DeLeon, pastor da Storehouse McAllen, uma igreja de Atos 29 no Vale do Rio Grande, no Texas.

O pastor de 33 anos, cidadão mexicano-americano nascido nos EUA, trabalha com igrejas que chegam às comunidades latinas do Texas, Nevada e Geórgia. Ele pressiona os pastores a se concentrarem menos em nomes latinos em suas funções, calendários de serviço e registros de eventos. “Olhe em vez disso, em quanto tempo foi investido no relacionamento”, diz.

"Eles estavam mais preocupados em tentar entendê-los do que conhecê-los", disse DeLeon, e eles estavam tentando fazer isso em contextos eclesiásticos onde o povo latino não estava confortável. Para construir a confiança "você precisa de uma mesa com comida e precisa de muito tempo".

Alejandro Aguilar, pastor do Iglesia Oasis em Crystal Lake, Illinois, também queria ver mais tempo investido e menos foco nos números como medida de sucesso (metade dos pastores pesquisados ​​concorda). Como a comunidade latina enfrenta mais marginalização do que a congregação evangélica média nos EUA, suas igrejas têm necessidades e recursos únicos no ministério.

"As igrejas americanas não estão sempre prontas para as histórias que os latinos trazem às suas portas", disse Aguilar, que emigrou do México. Quando perguntado por outros pastores como chegar aos latinos, ele aconselha: “Ouça as histórias. Não tenha pressa."

Esperando pelo crescimento
Quando Aguilar começou sua carreira no ministério na Willow Creek Community Church, uma megaigreja na área de Chicago, ele viu o tamanho da igreja como um sinal de que estava ministrando o mais vigorosamente possível.

Enquanto os líderes da igreja branca esperam que os ministérios cresçam rapidamente, muitos ministros latinos - educados por pastores de megaempresários americanos e latino-americanos - esperam que eles cresçam bastante. Quase metade (49%) das plantas de igrejas hispânicas e outros novos ministérios pesquisados ​​estão dentro da maior denominação dos EUA, a Convenção Batista do Sul, que tem mais de 500 congregações com 1.000 ou mais pessoas.

Embora saibam que imigrantes recentes e falantes de espanhol serão mais difíceis de alcançar, muitos ministros latinos ainda medem o sucesso pelos números, disse Aguilar. O movimento de plantação de igrejas, que envolve começar do zero em locais estratégicos, é uma “linguagem totalmente diferente para muitos (líderes latinos)”, explicou ele.

No Iglesia Oasis, ele prioriza ir mais fundo com sua congregação para entender os desafios que enfrentam, incluindo pobreza, violência doméstica, ansiedade ou depressão.

A LifeWay aponta o mentoring e o apoio financeiro de denominações ou igrejas “parentais” como formas de ajudar os líderes latinos a sustentar novas plantas.

Quase metade (48%) das novas congregações hispânicas pesquisadas não são financeiramente autossuficientes e recebem um financiamento significativamente menor: US$ 12.863 em doações externas no primeiro ano, em comparação com US$ 43.514 nas igrejas em geral.

A pesquisa da LifeWay também tocou na necessidade de sensibilidade cultural e na contratação de pastores culturalmente latinos (não apenas falantes de espanhol), mas mesmo eles precisarão se preparar para pensar de forma transcultural, já que nem todos os latinos são iguais. Fonte: Guiame