CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

SE LIGA NO CLIP GOSPEL

TV BOA ESPERANÇA

Tecnologia do Blogger.

Bolsonaro tem pior aprovação entre presidentes eleitos no início de primeiro mandato desde 1990, mostra Ibope


Pesquisa do Ibope divulgada na manhã desta quarta-feira (24) mostra que o presidente Jair Bolsonaro tem a pior aprovação entre presidentes eleitos pelo povo em primeiro mandato desde a redemocratização. O governo Bolsonaro é considerado ótimo ou bom para 35% dos brasileiros e sua maneira de governar é aprovada por 51% dos entrevistados, enquanto 40% reprovam a forma de gestão do presidente. Confira os índices: 

Ótimo / bom: 35%
Regular: 31%
Ruim /péssimo: 27%
Não sabe / não respondeu: 7%

O levantamento ouviu 2 mil pessoas em 126 municípios do país entre os dias 12 e 15 de abril. A pesquisa foi feita em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI) pela primeira vez desde que Bolsonaro assumiu a Presidência da República. 

Maneira de governar
Aprovam: 51%
Reprovam: 40%
Não sabe / não respondeu: 9%

Confiança no presidente
Pouco mais da metade dos entrevistados (51%) afirma confiar no presidente, mesma parcela da população que diz aprovar a sua maneira de governar. Contudo, 45% das pessoas ouvidas pela pesquisa afirmaram não confiar em Bolsonaro. 4% não responderam. 

Nordeste tem a pior avaliação do presidente

Entre os residentes na região Nordeste, 25% avaliam o governo como ótimo ou bom, enquanto 40% o avaliam como ruim ou péssimo, ou seja, o saldo é negativo. Entre os nodestinos, 38% confiam no presidente e 58% não confiam. Quanto à maneira de governar do presidente, 38% aprovam e 55% desaprovam. 

A melhor avaliação do presidente Jair Bolsonaro se encontra no Sul, onde 44% avaliam o governo como ótimo ou bom. Para 60% dos sulistas, Bolsonaro é de confiança e 63% dos residentes no Sul aprovam a sua maneira de governar.


Comparação com outros presidentes
A taxa de popularidade do governo Bolsonaro é a menor quando comparada ao início de outros  presidentes em primeiro mandato presidencial desde 1990. O índice de Bolsonaro é inferior ao primeiro governo FHC (41%), ao de Fernando Collor (45%) e aos primeiros mandatos de Luiz Inácio Lula da Silva (51%) e Dilma Rousseff (56%). 


Áreas de atuação
Das nove áreas de atuação do governo, quatro apresentam taxas de aprovação superior à de reprovação. As mais bem avaliadas são segurança pública, aprovada por 57% dos entrevistados, seguida da educação (51%), do meio ambiente (48%) e combate à inflação (47%). As ações e políticas do atual governo com maiores taxas de reprovação foram taxa de juros (57%), impostos (56%), saúde (51%), combate ao desemprego (49%) e combate à fome e à pobreza (47%).

Popularidade é maior entre homens do que mulheres
Para 38% dos entrevistados do sexo masculino, o governo Jair Bolsonaro está sendo ótimo ou bom, percentual que cai para 32% entre as mulheres. Entre os homens, 58% confiam no presidente e 56% aprovam sua maneira de governar. No caso das mulheres, esses percentuais se reduzem para, respectivamente, 45% e 46%.

Quanto maior o nível de renda, maior a popularidade 
O percentual dos que avaliam o governo como ótimo ou bom sobe de 27%, entre os brasileiros com até um salário mínimo de renda familiar, para 45%, no grupo com renda familiar acima de cinco salários mínimos. A confiança no presidente também aumenta com o estrato de renda familiar: 45% dos entrevistados com renda familiar de até um salário mínimo confiam no presidente, percentual que aumenta para 59% entre aqueles com renda familiar de mais de cinco salários mínimos.

Perspectiva para o restante do mandato
Entre os entrevistados com renda familiar acima de cinco salários mínimos, 53% acreditam que o restante do governo será ótimo ou bom.

Comparação com o governo Michel Temer

Entre os residentes da região Sul, 60% avaliam que o governo Jair Bolsonaro está sendo melhor que o governo Michel Temer.

Fonte: Diário de Pernambuco