CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

SE LIGA NO CLIP GOSPEL

TV BOA ESPERANÇA

Sargento investigado por suspeita de integrar milícia é excluído da PM de Pernambuco


Um sargento da Polícia Militar investigado por suspeita de integrar um grupo de milícia em Pernambuco foi expulso da corporação. A determinação, assinada pelo Secretário de Defesa Social, Antônio de Pádua, foi publicada no Diário Oficial deste sábado (5). 

De acordo com a portaria, o sargento havia sido indiciado como incurso no crime de recusa de obediência, ao descumprir a determinação de um oficial do 24º Batalhão da PM durante o serviço. Já o grupo de milícia de que ele fazia parte era investigado pela Polícia Civil na Operação Hostes, por crimes como homicídios, comércio ilegal de armas de fogo e munições e usurpação de função pública. 

A portaria da SDS também considera que "a conduta de integrar grupo de minícia carece de mais averiguação". As apurações estão sendo feitas pelos órgãos responsáveis. O G1 procurou a Polícia Militar para repercutir a decisão e aguarda retorno. 

Operação Hostes
Deflagrada em agosto de 2017 no Recife e no interior do estado, a Operação Hostes concluiu que os PMs presos por integrarem uma milícia em Pernambuco eram responsáveis por atentados a residências de oficiais da PM

De acordo com as investigações, eles tentaram intimidar os superiores para manter nos batalhões os membros da organização envolvidos em segurança privada de políticos, prisões ilegais feitas com uso de fardas e armas da corporação, além de e assassinatos ocorridos no Agreste do estado. 

De acordo com informações repassadas à época pelo delegado Bruno Vital, os PMs usavam fardas, viaturas e armamentos da corporação para prestar serviços ilegais aos clientes, que eram, normalmente, comerciantes e empresários. Ao grupo também foi atribuída a prática de homicídios, com seis casos investigados. 

Na época da operação, oito mandados de prisão e sete de busca e apreensão foram cumpridos. Do total, cinco presos são PMs que atuavam no Batalhão de Santa Cruz do Capibaribe, no Agreste, e praticavam os crimes em municípios vizinhos, como Caruaru e Taquaritinga do Norte. Os alvos da operação negaram a participação nos crimes, segundo a polícia Civil.
Fonte: G1 Caruaru