CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

SE LIGA NO CLIP GOSPEL

TV BOA ESPERANÇA

Sem planos para contratar atletas "midiáticos", Sport promete valorizar a base

Pablo Pardal é uma das apostas do Sport, mas acabou o ano treinando com o Sub-20 — Foto: Aldo Carneiro/ Pernambuco Press

Mudar o perfil do elenco já era algo visto como necessário pela diretoria do Sport. Agora, com 2019 trazendo um orçamento mais apertado e dívidas trabalhistas para serem resolvidas, enxugar a folha salarial se tornou uma emergência. Tanto é que o presidente eleito, Milton Bivar, mostrou preocupação com isto. E disse que, no ano que vem, uma série de jogadores criados nas categorias de base vão ganhar espaço no profissional. 

"Vamos apresentar uma série de garotos oriundos da base. Alguns outros vindos do Nordeste mesmo, porque não podemos fazer um time com jogadores midiáticos. Então, eu conto com a paciência do torcedor do Sport como vocês tiveram no final de Série A, apoiando incondicionalmente o nosso clube." 

Neste ano, alguns deles já apareceram nos treinamentos, mas não ganharam tanto espaço no time. Enfrentam um processo de maturação e agora, com a Série B em vista, as oportunidades devem aparecer para nomes como o lateral-direito Elias, o meia Jadson, o atacante Marlon e o meia Pablo Pardal - este último, chegou a voltar para o time Sub-20 no fim do ano.

Esses jogadores foram observados pelo técnico Eduardo Baptista e também por Milton Mendes. Os dois treinadores fizeram elogios aos meninos. Na comissão técnica, havia o entendimento de que era preciso ter cuidado para não "queimá-los", colocando-os no time em meio a uma situação difícil e de crise que o time passava na Série A. 

Com a folha salarial mais enxuta, o presidente Milton Bivar reforçou a necessidade de contratar jogadores de outro perfil e que vão ter de se readequar a uma nova realidade. 

- Vamos montar um time que, se não for aquele time dos sonhos, vai ser a filosofia de para-choque de caminhão: "Não tenho tudo o que eu quero, mas amo tudo o que tenho". E conto com os torcedores.
Fonte: GE