CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

SE LIGA NO CLIP GOSPEL

TV BOA ESPERANÇA

Bolsonaro comemora resultado do primeiro turno e diz que unirá o país se for eleito


O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, comemorou na noite deste domingo (7) o resultado do primeiro turno da eleição. Ele disputará o segundo turno com o candidato do PTFernando Haddad

Numa transmissão ao vivo no Facebook, disse que, se for eleito, unirá o país, que está "à beira do caos". 

"O agradeecimento que faço é a todos os brasileiros, ganhamos em quatro regiões. Perdemos no Nordeste, mas nossa votação no Nordeste foi muito boa e tenho certeza que Deus ajudará por ocasião do segundo turno", afirmou Bolsonaro. 

Deputado federal desde 1991, Bolsonaro disputa a Presidência da República pela primeira vez.

Facada
Um dos principais fatos da campanha eleitoral deste ano foi o atentado a Bolsonaro

Em 6 de setembro, enquanto participava de um ato de campanha em Juiz de Fora (MG), o candidato levou uma facada e precisou ficar 23 dias internado no hospital.

Durante este período, Bolsonaro só se manifestava via redes sociais, publicando vídeos e mensagens para os eleitores.

Polêmicas
Com discurso contrário ao PT e à esquerda, o candidato coleciona uma série de polêmicas por declarações sobre mulheres, negros e homossexuais.

Durante a campanha, Bolsonaro disse, por exemplo, que iria "fuzilar a petralhada". 

Afirmou, também, que não reconhecerá o resultado da eleição se ele não for o candidato eleito, acrescentando que desconfia da "lisura" do processo.
Depois, ao jornal "O Globo", disse que quis dizer que não telefonará para Fernando Haddad se o petista vencer.
Vice
O candidato a vice na chapa de Bolsonaro, general Hamilton Mourão, também colecionou uma série de polêmicas, afirmando, por exemplo, que o presidente da República eleito pode dar um "autogolpe" com o apoio das Forças Armadas se avaliar que o Brasil vive uma situação de anarquia.

Mourão também disse que o neto é um "cara bonito" porque houve o "branqueamento da raça"; chamou o 13º salário de "jabuticaba"; e disse que o brasileiro herdou a "indolência" do índio e a "malandragem" do africano.
 Fonte: G1