CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

SE LIGA NO CLIP GOSPEL

TV BOA ESPERANÇA

Marina: Visão pró-mercado gerou prejuízos à Petrobrás



A pré-candidata da Rede à Presidência da República, Marina Silva, disse, hoje, que uma visão dogmática favorável ao mercado na Petrobrás gerou prejuízos à sociedade e à estatal. Um dos momentos que mais chamou a atenção da plateia de empresários a sua fala, foi quando a ex-ministra voltou a criticar a reforma trabalhista e reiterou que pretende alterar o que classifica como aspectos "draconianos" da nova regra.

"A reforma trabalhista carece de mudanças e de revisão para de fato significar modernização", disse a pré-candidata da Rede, ao participar do evento Diálogo da Indústria com Candidatos à Presidência da República, promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

"Ainda é cedo. Não acho que deve ser revogada, mas revisitada para rever injustiças. Não tenho a visão de que tudo que foi feito deve ser revisado nem sacralizado”.
 

A plateia pediu que ela detalhasse o que pretendia mudar, ao que ela citou: a autorização para mulheres grávidas, com aval médico, trabalharem em locais insalubres, alterações que dificultaram acesso à Justiça por pessoas de baixa renda e horários reduzidos na jornada de trabalho e almoço.

Marina ponderou que entendeu ser necessária uma alteração na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), mas disse que a reforma tramitou de forma "atabalhoada" no Congresso e gerou "insegurança jurídica".

A pré-candidata citou como positiva as mudanças no número de processos trabalhistas, que após a reforma caíram, mas argumentou que não houve impulsionamento nas contratações: "A reforma tinha como sinalizador aumentar empregos, o que ainda não se efetivou".

Petrobrás – Ao comentar a greve dos caminhoneiros, que provocou uma queda na atividade industrial de 10,9% e foi deflagrada pela alta no preço dos combustíveis, a presidenciável apontou erro da antiga direção da empresa ao repassar a alta no dólar diariamente ao consumidor.

"A visão dogmática pró-mercado deu grandes prejuízos para a Petrobrás e para o cidadão", disse Marina. Fonte: Blog do Magno Martins