CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

TV BOA ESPERANÇA

CLIP GOSPEL

Valdir Santos celebra forró 'jovem e maduro' em turnê pelo Nordeste



Cantor e compositor caruaruense vai apresentar show baseado no disco "Celebração" em João Pessoa, Maceió, Natal e Recife.

Após oito anos sem turnês solo, o cantor e compositor caruaruense Valdir Santos anunciou quatro shows pelo Nordeste. As apresentações serão baseadas no CD duplo "Celebração", finalista da 28ª edição do Prêmio da Música Brasileira. Com 19 anos de carreira, seis turnês internacionais e shows por todo país, o artista vai mostrar canções já consagradas, como Moleque da Rua Preta, e músicas nunca gravadas, como Igarapé.

A turnê tem o incentivo do Funcultura e vai percorrer neste mês Natal, João Pessoa, Maceió e Recife. Em cada cidade, Valdir Santos vai receber um convidado para cantar com ele, além de apresentar músicas de artistas locais. Pessoas com deficiência física, surdas ou ensurdecidas também poderão conferir as apresentações. Os locais possuem vagas para cadeirantes ou pessoas com mobilidade reduzida e a equipe do artista conta com uma intérprete de libras. Os shows serão gratuitos.

Confira abaixo a entrevista com Valdir Santos:
Como surgiu a ideia de colocar o trabalho “ Celebração” nos palcos ?

Neste disco eu consegui participações de vários compositores, cantores e instrumentistas, uma equipe que é bastante respeitada no cenário do forró. O disco levou a gente a vários lugares, como por exemplo, a indicação ao “Prêmio da Música Brasileira”. Então, a gente vinha tentando romper o cenário somente de Caruaru.

Quantos anos sem turnê ?

A última turnê, foi em 2010, na Alemanha. Eu tenho viajado junto com o “Baião de Nós Três”, mas sozinho, já faz oito anos que não viajo. Nesta turnê eu estava sem gravar, então eu fiz ela baseada no trabalho “Moloque da Rua Preta”, de 2003. Comemorava-se sete anos do disco.

Como foi feita a escolha das cidades?

Conseguimos através do Funcultura. Tínhamos que escolher quatro cidades, então, vamos para Natal, João Pessoa, Recife e Maceió. Maceió foi um lugar bem especial para mim, pois é a terra de Jacinto Silva, que é minha maior inspiração dentro do forró.

E Caruaru?

Em Caruaru, a gente pode fazer um ensaio aberto para que as pessoas conhecerem o trabalho que estamos levando para as outras cidades. E possivelmente, o público no São João vai assistir esse mesmo show.

Show somente com trabalho autoral?

A ideia no início é que nosso produtor musical consiga cantores da cidade que vamos estar para que cantem junto comigo no palco. Também vamos cantar pelo menos duas músicas de artistas locais, como por exemplo, em João Pessoa, tocar músicas de Chico César. Eu acredito que este link com outros músicos vai ser legal para mostrar o contemporâneo com artistas que nos antecederam.

Qual o repertório?

A maioria é baseado no "Celebração". Mas tem músicas que não consigo tirar. Maria Sulanqueira, Menino de Barro, eu não consigo tirar. Tem um momento que canto três músicas da minha relação com Jacinto Silva. Essa turnê me traz maturidade, é muito madura. A palavra celebração representa muito isso. É toda uma história da minha trajetória.

Quem vai te acompanhar nas viagens?

Quem participou do disco e quem está comigo na estrada. É legal falar que nenhum que faz parte da banda tem mais de 30 anos, então é bonito de ver que, apesar dos sofrimento que o forró vem passando durante estes últimos anos, nós temos jovens que estão envolvidos com o estilo musical e com esse trabalho. Queremos mostrar que temos uma renovação. Eu lembro de artistas como Azulão e Jacinto Silva, dando espaço para músicos mais novos. Então, acho importante fazer o mesmo.


Qual a motivação da turnê?

Eu acabo rejuvenescendo. A energia da rapaziada me instiga demais. Eu sou um cara pura energia e a juventude dele traz um frescor muito grande para minha música. Os ensaios são uma pancada. É forró de qualidade, pegado. Quem gosta, vai ver um show muito bonito. E o bacana de levar o forró para o teatro é fazer um show onde as pessoas prestem atenção.

O forró autêntico está sendo renovado?

A gente vê muita gente nova fazendo um forró com qualidade, textos bons, músicas boas. Essa história de ter uma banda jovem fortalece muito o discurso. Temos a teoria e a prática. E todo mundo com uma propriedade muito grande, os meninos estão tocando feito gente grande e isso me deixa muito feliz.

Datas, horários e locais das apresentações:
Natal-RN - dia 12 de abril, no Teatro de Cultura Popular Chico Daniel, às 20h

João Pessoa-PB - 14 de abril, na Sala de Concerto da Fundação Espaço Cultural da Paraíba, às 20h

Maceió-AL - 19 de abril, no Centro Cultural Arte Pajuçara, às 20h

Recife-PE - 25 de abril no Teatro Luiz Mendonça no Parque Dona Lindu, às 19h30
Fonte: G1