CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

SE LIGA NO CLIP GOSPEL

TV BOA ESPERANÇA

Perder "virgindade" e pelo interior: por que o Pernambucano vale tanto para o Central




GloboEsporte.com elenca cinco motivos para o Estadual ser tão importante para a Patativa

inédito título do Campeonato Pernambucano vale mais do que uma simples taça para o Central. Em 56 participações, a melhor colocação da Patativa foi um segundo lugar, em 2007, em uma edição dividida em turnos. Agora, pela primeira vez em uma final, o Alvinegro chega com méritos por ter feito uma campanha quase impecável.

Além da tradicional volta olímpica, do esperado desfile no carro dos Bombeiros, da festa no interior e da óbvia alegria de ser campeão, o GloboEsporte.com elencou cinco razões para o inédito Estadual valer tanto para o Central de Caruaru.

Coroar o grupo de Mauro Fernandes
Invicto no estádio Lacerdão, o Central não perdeu nenhum jogo para os times ditos grandes na competição. Até aqui, a Patativa disputou 13 partidas: 7 vitórias, 5 empates e 1 derrota. O único revés foi para o Vitória-PE, na oitava rodada, até então líder do campeonato. Em três meses, Mauro Fernandes transformou uma equipe formada por "operários" em um grupo determinado na conquista do Estadual.

Central não perdeu em casa na competição (Foto: Lafaete Vaz / GloboEsporte.com) Central não perdeu em casa na competição (Foto: Lafaete Vaz / GloboEsporte.com)
Central não perdeu em casa na competição (Foto: Lafaete Vaz / GloboEsporte.com)
A volta do torcedor ao Lacerdão
A boa campanha fez o torcedor Alvinegro voltar a abraçar o clube, algo que não acontecia há tempos. Em oito partidas no Lacerdão, a média de público por jogo foi de 4.435 torcedores. O duelo com mais torcedores foi o primeiro jogo da decisão: 14.080 pessoas acompanharam o empate em 0 a 0 entre Central e Náutico.

Na última temporada, levando em conta Pernambucano e Série D, o público não passou de 1.000 torcedores nas arquibancadas por partida no Luiz José de Lacerda. A campanha de sócios criada pela direção e o apelo feito pela imprensa também colaborou para o retorno. O número ainda é pequeno, mas considerável se comparado a anos anteriores.


Público no Lacerdão no Pernambucano 2018

Público      Confronto  Rodada/Fase
14.080       Central x Náutico        1º jogo da final
8.530         Central x Sport   Semifinal
2.525         Central x América       Quartas de final
1.371         Central x Salgueiro     11ª rodada
1.365         Central x Belo Jardim 7ª rodada
3.601         Central x Sport   5ª rodada
1.861         Central x Flamengo    4ª rodada
2.147         Central x Náutico        2ª rodada
 Torcida do Central voltou a abraçar o grupo (Foto: Walter Andrade / Arquivo Pessoal) Torcida do Central voltou a abraçar o grupo (Foto: Walter Andrade / Arquivo Pessoal)
Torcida do Central voltou a abraçar o grupo (Foto: Walter Andrade / Arquivo Pessoal)
Conquistar um título de "verdade"
O Central, claro, já conquistou títulos ao longo da história quase centenária. O torneio Gercino Tabosa (1965), a Copa Pernambuco (2001), a taça Jarbas Vasconcelos (2002), a Série A2 do Pernambucano (1999) e a Taça Eduardo Campos (2015) foram alguns dos trófeus levantados.

Além desses, foram 37 conquistas do título simbólico de "campeão do interior" do Estadual e a Série B do Campeonato Brasileiro de 1986, que o clube se considera vencedor junto com Treze, Inter de Limeira e Criciúma e reivindica o reconhecimento da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Taça visitou o Lacerdão antes do Pernambucano (Foto: Lafaete Vaz / GloboEsporte.com) Taça visitou o Lacerdão antes do Pernambucano (Foto: Lafaete Vaz / GloboEsporte.com)
Taça visitou o Lacerdão antes do Pernambucano (Foto: Lafaete Vaz / GloboEsporte.com)
Mostrar a força do interior
O Central foi o primeiro clube do interior a disputar o Estadual, em 1937, e chega a 57ª participação. Em 104 edições, 28 clubes interioranos já disputaram o Pernambucano, mas nenhum conseguiu conquistá-lo.

Porto (1998), o próprio Central (2007) e o Salgueiro (2015 e 2017) foram os que chegaram mais perto do troféu. Agora, a Patativa tem mais uma chance de mostrar a força do futebol do interior.

Jogadores do Central no primeiro jogo da final (Foto: Elivaldo Araújo/Blog do Ney Lima) Jogadores do Central no primeiro jogo da final (Foto: Elivaldo Araújo/Blog do Ney Lima)
Jogadores do Central no primeiro jogo da final (Foto: Elivaldo Araújo/Blog do Ney Lima)
Inédita participação na Copa do Nordeste
A vaga no Copa do Brasil - algo que não acontecia desde 2009 - já foi conquistada com a presença na final. Mas, o título também pode dar ao Central a inédita vaga na Copa do Nordeste. Em 2002, o clube disputou uma seletiva da competição, mas foi eliminado pelo Itabaiana. Pelo regulamento, só a conquista garante a Patativa na competição.


Fonte: G1