CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

TV BOA ESPERANÇA

CLIP GOSPEL

'Não vão prender meus sonhos', diz Lula em último ato pré-STF

Ex-presidente participou do "Ato em defesa da democracia e justiça para Marielle Franco", no Circo Voador, casa de shows na Lapa, centro do Rio 

No último ato antes do julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF), o ex-presidente Lula afirmou na noite desta segunda-feira (2) que quer sua inocência de volta. Ele disse também que uma eventual prisão não irá encarcerar seus pensamentos e sonhos. 

"Não estou aqui pelo direito de ser candidato. Eu quero que eles parem de mentir a meu respeito, devolvam a minha inocência, porque eu quero ser candidato", disse o petista. 

"Eles não vão prender meus pensamentos, não vão prender meus sonhos. Se não me deixarem andar, vou andar pelas pernas de vocês. Se não me deixarem falar, falarei pela boca de vocês. Se meu coração deixar de bater, ele baterá no coração de vocês", disse Lula a um Circo Voador lotado -a capacidade é de 5.000 pessoas. 

Ele participou do "Ato em defesa da democracia e justiça para Marielle Franco", no Circo Voador, casa de shows na Lapa, centro do Rio. Este evento foi anunciado como o último evento antes do julgamento do STF Supremo Tribunal Federal na quarta-feira (4), que vai analisar o habeas corpus da defesa do petista contra a ordem de prisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região. 

Condenado por corrupção pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região, Lula depende de um habeas corpus do STF para não ser preso. Os ministros se reúnem na quarta-feira (4) para decidir sobre o caso. 

Lula voltou a criticar as decisões do juiz Sérgio Moro e dos magistrados do TRF-4 e disse que não aceita a "ditadura do Ministério Público". "Eu não estou acima da lei. Quero ser tratado como qualquer cidadão. Quero que eles parem de mentir. Quero ser julgado com base no mérito. Se encontrarem uma prova, eu me calo", declarou ele. 

O STF analisará apenas a constitucionalidade da prisão após acórdão da segunda instância Fonte: Folha PE