CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

TV BOA ESPERANÇA

CLIP GOSPEL

MPF instaura inquérito para investigar empréstimo de R$ 83 milhões para a Prefeitura de Caruaru





Projeto foi aprovado no dia 16 de janeiro deste ano, na Câmara de Vereadores.

O Ministério Público Federal (MPF), em Pernambuco, instaurou um inquérito civil público para investigar possíveis irregularidades sobre o empréstimo de R$ 83 milhões da Prefeitura de Caruaru, no Agreste, com a Caixa Econômica Federal (CEF).

Por meio de nota, a assessoria de imprensa da prefeitura informou ao G1 que a abertura do inquérito "é mais uma grande oportunidade de esclarecer toda a legalidade da operação que foi promovida por um banco estatal com autorização da Secretaria do Tesouro Nacional".

De acordo com o MPF, a Caixa e a prefeitura devem se pronunciar, por escrito, no prazo de 15 dias, sobre os mencionados indícios de irregularidades na operação de crédito.
Na nota, a gestão municipal também destacou que "é importante relembrar que a linha de financiamento de investimentos em questão foi objeto de um criterioso processo seletivo".

O projeto foi aprovado no dia 16 de janeiro deste ano, na Câmara de Vereadores, em sessão extraordinária, por 19 votos "sim" e quatro parlamentares votaram "não". Esta foi a segunda votação do projeto, que chegou a ser rejeitado na Câmara em dezembro do ano passado.

MPPE também abriu inquérito
O Ministério Público do Estado (MPPE) abriu um inquérito civil para investigar possíveis irregularidades sobre o empréstimo em 26 de fevereiro deste ano.


De acordo com o inquérito assinado pelo promotor Marcus Tieppo, há notícias de irregularidades no trâmite do projeto de lei que autoriza o município de Caruaru a celebrar contrato de operação de crédito com a Caixa.

Ainda segundo o MPPE, as receitas previstas na Lei Orçamentária Anual de 2018 para operações de crédito não contemplam os valores da contratação. Fonte: G1