CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

SE LIGA NO CLIP GOSPEL

TV BOA ESPERANÇA

Ilha brasileira tem segunda maior concentração de cobras do mundo

Se você tem pavor de cobras, essa pequena ilha no litoral de São Paulo não é o lugar ideal para passar as férias. De difícil acesso, a Ilha da Queimada Grande, localizada a 35km do litoral paulista, fica em segundo lugar quando o assunto é a quantidade de cobras por hectare, perdendo apenas para a Ilha de Shedao, na China. Com comprimento de 1,5 km e 500 metros de largura, a também conhecida como Ilha das Cobras chega a abrigar cerca de 45 serpentes por hectare, área equivalente a um campo de futebol.     

Descoberta em 1532 por uma expedição de colonizadores, a ilha já existia desde a última era glacial, há cerca de 11 mil anos. Com o aumento do nível do mar, o morro acabou se transformando em uma ilha, isolando um bando de jararacas comuns (Bothrops jararaca). Porém, de acordo com o pesquisador e especialista em animais peçonhentos da Faculdade de Medicina de Botucatu, da Unesp, Vidal Haddad, o isolamento e condições geográficas ajudaram a criar uma nova espécie.    

“Ela é menor e menos pesada, para facilitar sua locomoção e a caçada diurna nas árvores. Sua cauda adquiriu capacidade preênsil (ou seja, de se agarrar a algo) e a dentição ganhou um aspecto mais curvo, para prender as aves mais facilmente e não soltá-las enquanto o veneno age. “Sua pele se tornou mais elástica do que a de suas parentes do continente, uma vez que ela sobe em árvores. Além disso, como ela ergue mais a cabeça, seu coração fica mais próximo dessa parte de sua anatomia, para bombear com mais facilidade o sangue para o cérebro”, explicou Haddad à BBC.     

O acesso à ilha é estritamente controlado e requer de autorização do Governo Federal. Esta é dada principalmente para pesquisadores. Fonte: Curiosamente