CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

SE LIGA NO CLIP GOSPEL

TV BOA ESPERANÇA

Eliminações precoces não alteram planos do Santa Cruz


Sem desespero, diretoria mantém planejamento para a sequência de 2018 e evita discurso de que tudo está errado


Foram duas desclassificações dolorosas em exatamente três meses de temporada. Algo que não estava nos planos. O sinal de alerta já havia sido ligado logo após o Santa Cruz ser despachado ainda na primeira fase da Copa do Brasil pelo Fluminense de Feira/BA, vencedor do confronto (2x0), no estádio Joia da Princesa (Feira de Santana, interior da Bahia), em partida única do mata-mata. O vexame também pesou no bolso do clube, que perdeu uma premiação de R$ 600 mil. Depois do baque no torneio nacional, no dia 31 de janeiro, os tricolores acumularam um novo fracasso: eliminação precoce nas quartas de final do Campeonato Pernambucano.

A goleada sofrida para o Sport por 3x0, na Ilha do Retiro, foi um duro golpe, mesmo com o maior rival sendo o favorito ao título do Estadual. A campanha tenebrosa na modesta primeira fase - só duas vitórias, sete empates e uma derrota em dez jogos - fez o time de Júnior Rocha pagar caro. Como não cumpriu a obrigação de figurar no G4, terminando apenas na 7ª posição, com 13 pontos, mas o suficiente para garantir uma vaga das oito entre 11 equipes, o Santa encarou de cara um Clássico das Multidões e ainda jogou fora de casa.

Apesar dos fracassos em pouco tempo de trabalho, a diretoria da Cobra Coral evita um discurso de que tudo está errado e mantém convicção no planejamento para a sequência do ano. “Vamos procurar entender o que aconteceu conversando com a comissão técnica. Precisamos organizar o nosso trabalho, mas não podemos zerá-lo por conta de eliminações. A equipe não deve ser crucificada por um resultado. Hora de lamber as feridas”, comentou o vice-presidente de futebol, Felipe Rego Barros.

Obviamente abalado, o técnico tricolor não vê motivo para desespero nas Repúblicas Independentes do Arruda. “Não podemos jogar tudo por água abaixo. Agora é ter paciência. Repito: não é porque perdemos para o Sport que está tudo errado”, declarou na entrevista coletiva. Até aqui, o Santa Cruz disputou 16 jogos oficiais na temporada (11 no Campeonato Pernambucano, quatro na Copa do Nordeste e um na Copa do Brasil), obtendo o seguinte retrospecto: quatro vitórias, nove empates e três derrotas. Fonte: FolhaPE