CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

TV BOA ESPERANÇA

CLIP GOSPEL

Coletiva diocesana de imprensa sobre a Campanha da Fraternidade 2018


A Diocese de Pesqueira lançou, na manhã desta sexta-feira, dia 02 de março, a Campanha da Fraternidade 2018. O lançamento aconteceu durante coletiva de imprensa, realizada no Salão Santa Clara (anexo do convento dos Franciscanos), em Pesqueira Agreste de Pernambuco, e foi conduzida pelo Bispo Diocesano Dom José Luiz Ferreira Salles, o Padre Fábio de Lima Santos, Coordenador da Comissão de Campanhas, o Promotor de Justiça Criminal de Pesqueira, Dr.  Oscar Ricardo de André Nóbrega, a Coordenadora pedagógica das Escolas de Perdão e Reconciliação, Irmã Socorro Dantas e a Aluna da ESPERE e agente da Pastoral Carcerária de Buíque, Erika Silva.

De acordo com Dom José Luiz, existem muitas instituições, conselhos, pastorais etc, mas nas maiorias das vezes se insolam ficam cada um no seu quadrado, “Precisamos trabalhar em rede, mais unidos de forma coletiva” A Conferência Nacional dos Bispos (CNBB) definiu como tema da Campanha da Fraternidade 2018 : Fraternidade e superação da violência, tendo como lema: Em Cristo somos todos irmãos (Mt 23,8).

Conforme o Texto-base utilizado para auxiliar nas atividades da Campanha da Fraternidade, a Igreja buscará “identificar, acompanhar e reivindicar políticas públicas para superação da desigualdade social e da violência, além de apoiar os centros de direitos humanos, comissões de justiça e paz, conselhos paritários de direitos e organizações da sociedade civil que trabalham para a superação da violência”.

A CF 2018 propõe algumas ações, como valorizar a família e a escola como espaços de convivência fraterna, de testemunho e do perdão; identificar, acompanhar e reivindicar políticas públicas de superação da desigualdade social e da violência; e apoiar os centros de direitos humanos, comissões de justiça e de paz, bem como organizações da sociedade civil que trabalham para a superação da violência.

O Promotor de Justiça Criminal de Pesqueira, Dr.  Oscar Ricardo de André Nóbrega, falou sobre alto índice de violência em Pernambuco, em Pesqueira e principalmente contra aas mulheres, lembrou da intervenção do Rio de Janeiro, problemas sociais e culturais que levam a violência, comentou algumas experiências de vida em outros países, e concluiu dizendo “Os principais crimes que geram tanta violência no Brasil são cometidos pelos famosos Colarinho Branco”.

O Padre Fábio, falou do cronograma dos próximos eventos sobre a CF 2018, já começando neste sábado nas áreas pastorais de Arcoverde, Belo Jardim e Brejo da Madre de Deus, em Belo Jardim reunirá representantes de todas das área pastorais do município incluindo o município de Sanharó. Acontecerá no salão da Matriz da Conceição (centro) das 8h às 11h.

Como em anos anteriores, a Campanha da Fraternidade está dividida nos métodos “Ver”, “Julgar” e “Agir”. A partir do método “Ver”, os cristãos são convidados a analisar as diversas atitudes de violência no país. Esta primeira parte está subdividida em três: 1. As múltiplas formas de violência; 2. A violência como sistema no Brasil; e 3. As vítimas da violência no Brasil. O Texto-base apresenta uma lista grande na qual cita os tipos de violência, como: racial, doméstica, religiosa, no trânsito, contra jovens e mulheres, sexual e tráfico humano, violência e narcotráfico, violência policial, contra os trabalhadores rurais e contra os povos tradicionais.

No método “Julgar” a CF 2018 apresenta a fundamentação bíblica para evitar a violência.

Além dos textos bíblicos, vários documentos Pontifícios são citados. E no método “Agir” são indicadas ações para a superação da violência e apontadas pistas e áreas concretas que precisam ser analisadas: a) O Estatuto da Criança e do Adolescente; b) A violência doméstica e a Lei Maria da Penha; c) Os Direitos Humanos; d) A superação da violência gerada pela exploração sexual pelo tráfico humano; e) Violência e juventude; f) O racismo e a superação da violência; g) A superação da violência no campo; h) A superação da violência fruto do narcotráfico; i) O Estatuto do Desarmamento; j) A violência religiosa; k) A violência política; l) A violência no trânsito; e m) A Defensoria pública.

Campanha da Fraternidade
Realizada pela primeira vez em 1961, pela Cáritas Brasileira, a Campanha da Fraternidade foi crescendo ano a ano sempre com os objetivos que visam “despertar o espírito comunitário e cristão no povo de Deus, comprometendo, em particular, os cristãos na busca do bem comum; educar para a vida em fraternidade, a partir da justiça e do amor, exigência central do Evangelho; e renovar a consciência da responsabilidade de todos pela ação da Igreja na nova evangelização, na promoção humana, em vista de uma sociedade justa e solidária (todos devem evangelizar e todos devem sustentar a ação evangelizadora e libertadora da Igreja)”.

A Campanha da Fraternidade é lançada sempre na Quarta-feira de Cinzas – dia em que tem início a Quaresma – e as atividades como, por exemplo, formações, palestras, encontros e mobilizações acontecem ao longo de todo o ano.