CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

TV BOA ESPERANÇA

CLIP GOSPEL

Faxineiro e filha são aprovados juntos em universidade federal

Décadas afastado dos estudos não impediram que o estudante João Monte Rodrigues conseguisse entrar na Universidade Federal do Ceará (UFC). Foram exatos 34 anos longe da sala de aula até que, desempregado, ele decidiu voltar à escola em 2012. Completando o ensino médio em colégios públicos, Rodrigues participou do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e conquistou a sonhada vaga no curso de Engenharia de Petróleo. Para completar, o novo aluno da UFC também terá a companhia da filha, Ester Rodrigues, de 17 anos, aprovada na mesma universidade, mas no curso de engenharia ambiental. A família vive na comunidade indígena dos Tapeba, em Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza.     

Em entrevista ao jornal cearense O Povo, Rodrigues afirma que, apesar do desejo, já não pensava mais em faculdade. “Queria o ensino médio para entrar no mercado de trabalho, porque é o que as empresas pedem”, contou.    
João, hoje funcionário de serviços gerais em uma repartição pública, também conta que durante a infância as possibilidades eram limitadas, sobretudo por ter de conciliar os estudos com o trabalho na roça ou em outras atividades como faxina. As dificuldades também se estenderam à filha Ester. Ambos estudavam juntos até meia-noite, tentando entender dúvidas que surgiam na sala de aula. “Nessa idade, é mais cansativo, mais difícil, mas conseguimos e terminamos juntos”, contou o estudante.    

Apesar das boas notícias, João teme ter que largar os estudos caso não consiga assistência estudantil, já que o curso de engenharia de petróleo tem frequência integral, o impedindo de trabalhar. Para tentar conseguir finalizar a graduação, João agora espera conseguir uma Bolsa Permanência do Ministério da Educação. Além de quilombolas e indígenas, o auxílio também se aplica a estudantes de instituições federais de ensino superior em situação de vulnerabilidade socioeconômica.  Fonte: Curiosamente