CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

SE LIGA NO CLIP GOSPEL

TV BOA ESPERANÇA

Para Dilma, discutir plano B é como pedir renúncia

A presidente cassada Dilma Rousseff comparou as discussões sobre um possível plano B à pré-candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva aos pedidos pela sua renúncia, quando ainda estava no poder. Segundo Dilma, nos dois casos, o que está por trás é uma tentativa de legitimar o “golpe” que, conforme ela, foi iniciado com o impeachment e ainda está em andamento. “Essa discussão sobre o plano B é igual a discussão sobre 'renuncie, presidente'. Pediam, 'renuncie, presidente, é um gesto de grandeza'. Gesto de grandeza nada. É a tentativa de mascarar o golpe”, disse Dilma, no início da tarde de hoje.     

A presidente cassada participou do seminário "Diálogos Internacionais Sobre a Democracia", promovido pelas fundações Perseu Abramo (PT) e Maurício Garbois (PCdoB), em Porto Alegre. O evento, que contou com a participação de dezenas de líderes sindicais, de movimentos sociais e partidos de esquerda da América Latina, faz parte das mobilizações em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que será julgado quarta-feira, 24, pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), na capital gaúcha.     

Conforme Dilma, a possibilidade de Lula ser impedido pela Justiça de participar das eleições deste ano é um reflexo do que chamou de “derrota do golpe” iniciado com o impeachment. Segundo ela, a partir do momento em que a (1) Operação Lava Jato se voltou contra lideranças de partidos que apoiaram o impeachment, como PSDB e MDB “inviabilizando todas elas”, (2) as forças que assumiram o poder não conseguem construir um nome para enfrentar Lula nas urnas e que o (3) ex-presidente recuperou a imagem e passou a liderar as pesquisas de intenção de voto, os adversários do PT passaram a apostar na ilegibilidade do petista.     

“Este processo constrói a derrota do golpe e explica também o acirramento da disposição para atingir o presidente Lula”, disse ela.    

Dilma repetiu o discurso de boa parte dos petistas segundo o qual um presidente eleito sem a participação de Lula nas eleições assumiria o cargo sem a legitimidade necessária para conduzir o País rumo à saída da crise.    

De acordo com a presidente cassada, a crise econômica iniciada em 2008 não é “culpa nossa” e a questão fiscal que levou ao impeachment foi construída para justificar sua saída do poder.    

“Se criminalizou a política anticíclica que nós fizemos chamando de gastança”, disse Dilma, que classificou a PEC do Teto aprovada pelo governo Michel Temer de “austericídio” e é alvo de críticas públicas do próprio Lula sobre a má condução da política econômica. Fonte: Blog do Magno