CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

SE LIGA NO CLIP GOSPEL

TV BOA ESPERANÇA

Capitão do Santa, Vítor vê evolução e pede paciência

Um dos poucos remanescentes para 2018, o experiente lateral-direito mostra liderança com exigências em campo


A comunicação de Vítor dentro de campo chamou a atenção no último teste antes da estreia oficial do Santa Cruz na temporada 2018. Experiente, o lateral-direito de 35 anos foi o destaque no empate em 1x1 com o América/PE no jogo-treino, em Aldeia. Durante a movimentação, ele cobrou bastante dos companheiros, orientou várias vezes o posicionamento e pediu calma nos momentos em que o time tinha a posse de bola.

“Foi um teste que serviu de preparação para a temporada. Encaramos um adversário que vamos enfrentar no Campeonato Pernambucano e que vinha treinando há mais tempo. Achei um jogo-treino bom e espero que a gente colha frutos lá na frente”, analisou o veterano.

Um dos poucos remanescentes do elenco para 2018, Vítor enxergou um crescimento da equipe coral, mas disse que é preciso paciência nesse início de ano. “Tudo é evolução. Temos que subir degrau por degrau e não podemos ultrapassar algumas etapas. Por isso a gente pede um pouco de calma. Nós só vamos conseguir (os objetivos) treinando e conversando. Apenas com o trabalho podemos ter sucesso”, declarou.

Assim como o técnico Júnior Rocha e todo o elenco, o lateral-direito se queixou da falta de tempo para se preparar. Por outro lado, evitou lamentações e pregou foco para o pontapé inicial diante do Confiança, no estádio Batistão, pela Copa do Nordeste, no dia 16 deste mês. “O tempo de trabalho é pouco, mas no futebol é assim e temos que encarar. Na semana que vem já tem jogo oficial e só ganhando as partidas vamos ter mais confiança. É bom estar disputando os campeonatos”, ressaltou.

CAPITÃO

Na entrevista coletiva, o técnico Júnior Rocha confirmou que Vítor é o dono da braçadeira de capitão. “Ele sabe que o capitão é ele, mas prefere não expor”, adiantou. Com um discurso humilde, o jogador minimizou a responsabilidade mesmo sendo um dos mais rodados e líderes do grupo. Inclusive, ele já carregou a faixa em anos anteriores. “Minha determinação é a mesma. Vou sempre estar falando e cobrando do mesmo jeito. Sou um cara competitivo e quero ganhar sempre”, pontuou. Fonte: FolhaPE