CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

TV BOA ESPERANÇA

CLIP GOSPEL

Vereador Zé Gury participa de confraternização do Paintball




O vereador Zé Gury participou da confraternização das equipes de paintball no último domingo na sede da antiga AABB em Belo Jardim, Agreste de Pernambuco.

Conheça um pouco:
Quem leva a fama de criador do paintball é o americano Bob Gurnsey, mas, na verdade, ele simplesmente oficializou o esporte. O paintball tem uma pré-história, protagonizada por madeireiros americanos e canadenses que usavam bolinhas de tinta para marcar as árvores que deveriam ser derrubadas. É bem provável que os próprios madeireiros já brincassem de atirar bolinhas, mas os primeiros a pensar nas armas de tinta como esporte foram os amigos Bob Gurnsey, Charles Gaines e Hayes Noel. No dia 27 de junho de 1981, os três se juntaram a outros nove amigos e realizaram o primeiro jogo oficial em uma cidadezinha no estado de New Hampshire, nos Estados Unidos. O curioso desse jogo de estréia é que a regra era “cada um por si”, ou seja, o vencedor era quem terminasse o jogo sem tinta na roupa. Hoje, formam-se dois times e o objetivo é capturar uma bandeira no meio do campo e levá-la à base adversária ou pegar a bandeira na base adversária e levar até a própria base. Outra diferença em relação àquela época é que, para tornar o jogo mais rápido e facilitar a vida dos espectadores, hoje são usados obstáculos artificiais (geralmente infláveis) no lugar da mata fechada, onde nasceu o esporte.

SEGURO MORREU DE VELHO
O equipamento básico de segurança é máscara e colete peitoral, mas quem participa de competições costuma adicionar joelheiras, cotoveleiras e luvas ao uniforme. A blusa e a calça são acolchoadas nas partes mais “raláveis”. “É o esporte radical mais seguro que existe”, diz a empresária Tânia Huamani, da equipe Mercenários

BALA NA AGULHA
As “balas” são cápsulas de gelatina (de 1,7 cm de diâmetro), preenchidas com um tipo de tinta colorida não tóxica e solúvel em água. Um recipiente instalado em cima da arma comporta cerca de 200 bolinhas, que vão sendo engatilhadas automaticamente pela força da gravidade.


COSPE-TINTA 
Armas (ou marcadoras, como dizem os “paintboleiros”) mais simples disparam no máximo seis ou sete bolinhas por segundo. Já as mais modernas podem chegar a até 28 bolinhas por segundo. Isso permite que em um jogo (que nunca dura mais de 5 minutos), cada competidor dispare entre 600 e 700 “balas”.

MÃOS AO ALTO
Quando se joga de brincadeira, a eliminação só acontece quando se acerta o colete, mas, em competições, qualquer tiro elimina. Se um jogador for atingido, ele tem que se entregar. Se o juiz notar que ele não se rendeu, além de eliminá-lo, pode punir a equipe com mais eliminações.

AUTORIDADE PROTEGIDA
Os juízes precisam ficar bastante atentos para evitar malandragens, como esconder manchas de tinta. Por isso, em jogos de cinco contra cinco, são usados de seis a oito juízes. Além de usar um uniforme bem diferente dos competidores, os juízes que ficam em áreas mais expostas usam um escudo.


PEÇAS NO TABULEIRO

Em campeonatos, as equipes costumam ter cinco jogadores, normalmente divididos assim: dois no fundo, dois nas laterais e o frontplayer – um camicase que corre atirando para todos os lados. Às vezes, esse cara consegue resgatar a bandeira sem ser atingido, finalizando o jogo em poucos segundos.