CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

SE LIGA NO CLIP GOSPEL

CLICK NA TV SE LIGA E ASSISTA

'Sei que eu sou racista, mas é uma coisa que eu não posso controlar', diz 'socialite' que xingou Titi

Conhecida após divulgar um vídeo em que ofende a filha adotiva dos atores Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank, Day McCarthy é um dos destaques da Retrospectiva 2017 SBT. Durante o programa que recorda os momentos mais impactantes do ano, que será exibido no próximo domingo (17), Dayane Alcântara Couto de Andrade é entrevistada pelo jornalista Roberto Cabrine e afirma: "Sei que eu sou racista, mas é uma coisa que eu não posso controlar". Em imagens divulgadas nas redes sociais, Dayane chama a garota Titi de "macaca" e afirma que as pessoas "não deveriam dizer que ela era bonita". Após o ocorrido, Gagliasso denunciou a brasileira por injúria racial.     

Durante a entrevista, ela se reconhece racista, mas afirma não ter controle sobre isso. "Sim, eu sei que estou errada! Sei que eu sou racista, mas é uma coisa que eu não posso controlar, é uma coisa que eu não sei como controlar, como não ser racista", diz Dayane. Ao ser questionada sobre um possível pedido de desculpas aos pais de Titi, a mulher afirma: "Eu não quero ser falsa, não '' preparada pra pedir desculpas a eles. Eu quero sentar e ter uma conversa comigo mesma e me arrepender, não quero ser falsa. Pedir desculpas a ele não vai mudar em nada o que eu fiz".  
 
Mas diz querer se desculpar com a garota: "Não queria que ela crescesse e se sentisse mal por ser negra ou pelas ofensas que eu falei contra ela. Espero que daqui a dez anos, outras notícias vão vir e ela não saiba o que aconteceu 10 ou 9, 8 anos atrás". O jornalista questiona ainda se Day McCarthy pretende procurar ajuda psicológica, ao que ela responde que "sim". "Porque eu também quero saber o que se passa com a minha cabeça", diz. Em outro momento da entrevista, Roberto Cabrini pergunta se ela acredita que deve pagar pelo que fez, ao que a mulher responde: "se eu for condenada, sim".  Fonte: Diário de Pernambuco