CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

TV BOA ESPERANÇA

CLIP GOSPEL

Desmanchado, Santa usa receita caseira da base

Sem uma espinha dorsal, vários garotos serão integrados ao elenco profissional para a temporada 2018


O processo político - eleição presidencial no dia 5 de dezembro - atrasou o planejamento do Santa Cruz para a temporada 2018. Com a apresentação marcada para este mês (dia 24), no estádio do Arruda, a diretoria de futebol corre contra o tempo para formar o elenco. Assim como neste ano, o desafio é remontar um time por inteiro, mas desta vez os recursos são menores. A dificuldade financeira obriga o clube a trabalhar com um orçamento enxuto. A receita é gastar o mínimo possível, com uma folha salarial girando em torno de R$ 250 mil, e pagar em dia.

Como sofreu um grande desmanche, o Santa tem poucos jogadores garantidos para o próximo ano e volta à estaca zero. Os números ilustram a debandada. Dos 33 atletas que encerram a Série B 2017, apenas sete deles têm contrato: goleiro Lucas Silva, zagueiro Eduardo Brito, volantes João Ananias e Lucas Gomes, meia Kelvy e atacantes Augusto e André Luis. Especula-se que esse último, inclusive, está de saída do Tricolor e pode acertar com Botafogo, Fluminense ou Chapecoense, segundo informações apuradas pela reportagem da Folha de Pernambuco.

Sem ter sequer uma espinha dorsal, a direção decidiu fazer uma integração entre a base e o profissional. Na volta aos trabalhos, onze garotos serão promovidos para o grupo profissional. A lista conta com Lucão, Jeremias, Ítalo, Weslley, Wallace, Warley, João Carrol, Téo, Anderson, Matheus Cotrim e Pequeno. Os três primeiros estiveram no grupo principal na reta final da temporada deste ano.

Mesmo precisando acelerar o processo de contratação, o executivo de futebol Fred Gomes prega cautela para não errar na escolha das novas caras. Já com o perfil dos reforços traçado, ele tem analisado as opções com critério.

“Se nós tivéssemos uma equipe base, teríamos mais tranquilidade. Precisamos correr contra o tempo, mas com muita responsabilidade porque estamos passando por uma crise financeira. A prioridade é diminuir a margem de erro. Vamos formar uma equipe com os atletas que já têm vínculo e com os garotos que vão subir. Dentro das competições, vamos montando o time", encerrou o gerente remunerado. Fonte: FolhaPE