CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

TV SE LIGA

CLIP GOSPEL

Monitor da Violência: 31 mortes violentas monitoradas tiveram autoria identificada em PE; 89 das 106 tiveram atualização repassada

Novo levantamento feito pelo G1 mostra o andamento dos inquéritos. São 106 casos em Pernambuco; ao todo, no Brasil, são 1.195.



No total de 89 mortes que tiveram atualizações informadas pelo goveno do estado, contabilizadas pelo G1 no projeto Monitor da Violência, 31 casos tiveram os autores identificados, dois meses após abertos os inquéritos policiais. Nesse grupo de mortes violentas, estão 82 homicídios. Destes, 50 seguem com autoria desconhecida pela Polícia Civil, mas, segundo a corporação, as investigações continuam em andamento.

Ao todo, entre os dias 21 e 27 de agosto, foram contabilizadas 106 mortes violentas ocorridas em Pernambuco. Desse total, 83,9% delas tiveram informações atualizadas, informadas pelo governo do estado. O número de autores identificados pela Polícia Civil corresponde a 34,8% das mortes atualizadas.

Cinco suicídios também compõem a lista com novos dados da polícia: por serem crimes contra a própria vida do autor, são casos sem prisões, encaminhados à Justiça com pedido de arquivamento. Os dois últimos casos em questão se referem a mortes a esclarecer.

PÁGINA ESPECIAL: quem são as vítimas

AS CAUSAS DA EPIDEMIA DE MORTES: o que diz pesquisador do NEV

O QUE PODE SER FEITO PARA ENFRENTAR A EPIDEMIA DE MORTES: diretores do FBSP analisam

Desses 89 casos cujas atualizações foram repassadas pela Polícia Civil, 38 mortes violentas ocorreram na Região Metropolitana do Recife, sendo a autoria identificada em 13 delas. Na Zona da Mata e no Agreste do estado, 12 dos 33 casos informados pela polícia tiveram a autoria identificada. No Sertão, seis dos 18 casos de mortes violentas tiveram os autores identificados.

Até a data desta publicação, seis pessoas foram presas, sendo duas em flagrante delito e quatro preventivamente. Houve também a apreensão de dois menores, cujas idades não foram informadas. Também foram encaminhados 13 pedidos de prisão preventiva à Justiça. Um deles foi deferido, mas o autor do crime está foragido.

O G1 entrou em contato com a assessoria da Polícia Civil de Pernambuco, que informou estar aguardando as respostas dos delegados responsáveis pela investigação dos 17 homicídios restantes para fornecer as atualizações sobre esses casos solicitadas pela reportagem.

Monitor da Violência

O G1 registrou, no período de 21 a 27 de agosto, todas as mortes violentas ocorridas no Brasil. Agora, acompanha todos esses casos. O trabalho é resultado de uma parceria do G1 com o Núcleo de Estudos da Violência (NEV) da USP e com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Com uma série de iniciativas que envolvem reportagem e análise de dados, o projeto se chama Monitor da Violência.

MONITOR DA VIOLÊNCIA - INQUÉRITOS PELO BRASIL

BRASIL: 60% das mortes não têm solução após 75 dias
AC: 60% dos inquéritos concluídos
AL: nenhuma prisão
AM: quatro suspeitos presos
CE: mais de 90% dos casos sem conclusão
DF: nenhuma prisão
ES: conclusão de 5 inquéritos
GO: 36 investigações em andamento
MA: uma prisão
MT: autores de 10 homicídios identificados
Grandes Minas: quatro suspeitos identificados e um preso
Vales de Minas: nenhuma prisão
PA: governo repassa dados de 15% das mortes violentas
PB: identificados autores de 68% dos assassinatos
PE: 31 mortes com autorias identificadas
Caruaru e região: quatro mortes solucionadas
Petrolina e região: nove mortes com autores desconhecidos
PR: 18 pessoas presas
PI: 54,5% dos inquéritos concluídos
RN: quatro inquéritos concluídos
RS: duas vítimas sem identificação
RJ: quase 10 vezes mais homicídios que Londres
Sul do Rio: sete pessoas presas
RO: três assassinatos sem solução
RR: nenhuma investigação concluída
SP: conclusão de 23 inquéritos
Campinas e região: um caso concluído
SC: 15 mortes em investigação
SE: uma prisão
Fonte: G1