CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

TV SE LIGA

CLIP GOSPEL

Famílias denunciam que pacientes com câncer seguem sem medicamento em Pernambuco

Tratamentos foram interrompidos desde o fim de Agosto por causa da falta do remédio Bortezomib. Desde outubro, Secretaria de Saúde afirmou que compra está sendo feita.


Parentes de pacientes que sofrem com câncer mieloma múltiplo denunciam que seguem sem poder continuar os tratamentos no Fundação de Hematologia e Hemoterapia de Pernambuco (Hemope) por falta de um dos medicamentos utilizados na quimioterapia. A situação vem sendo denunciada desde outubro

De acordo com os doentes, os ciclos de medicação foram interrompidos pela falta de Bortezomib, que custa, em média, R$ 5.700 por frasco. Na época, o governo afirmou que estava resolvendo a situação, resposta semelhante a dada nesta quarta-feira (15). A Secretaria de Saúde apontou que "está se empenhando para concluir o processo no menor tempo possível".

Filha de uma das pacientes prejudicadas pela falta do remédio, Lindicélia Alves de Lima vê a situação da mãe se agravar. Em entrevista ao Bom Dia Pernambuco, Lindiceia explicou que, há dez dias, a equipe médica responsável pela mãe emitiu um laudo falando que a paciente está tendo o ciclo interrompido pela falta da medicação e alertando para as graves consequências.

O medicamento é aplicado e disponibilizado no Hemope. De acordo com os pacientes, um lote chegou em julho que só deu para fazer um ciclo, encerrado em agosto. Logo, os pacientes, a maioria em estado grave, estão sem passar pelo procedimento de quimioterapia.
A Secretaria de Saúde de Pernambuco afirmou que está realizando o processo licitatório para aquisição do medicamento para adquirir 1.600 ampolas, o que será suficiente para atender aos pacientes pelo período de 10 meses.

"Devido a falta da medicação, a doença fica cada vez mais agressiva. Minha mãe tem mais dores, fica sem se locomover, ficando em cima de uma cama. Infelizmente, essa é a realidade com a falta da medicação", lamenta Lindicéia.
Fonte: G1