CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

TV SE LIGA

CLIP GOSPEL

Ações preferenciais da Oi sobem quase 10% com expectativa por plano de reestruturação


Expectativa é de que plano seja entregue à Justiça do Rio de Janeiro ainda nesta quarta-feira.

As ações da Oi dispararam no pregão desta quarta-feira (11), com a perspectiva de que a empresa entregue o plano de recuperação judicial à Justiça do Rio de Janeiro ainda hoje. As ações preferenciais da companhia (que não tem direito a voto em assembleia) chegaram a subir quase 10% nesta sessão.

Por volta das 11h40, as ações ordinárias (ON) da Oi avançavam 3,4%, enquanto as preferenciais (PN) subiam 7,5%. Na máxima até o momento, as altas dos papéis ON e PN foram de 4,6% e 9,63%, respectivamente. Os papéis não fazem parte do Ibovespa, o principal índice de ações da bolsa brasileira, que recuava 0,11%.

Na véspera, a Advogada-Geral da União (AGU), Grace Mendonça, disse que o governo federal vai analisar todos os cenários, desde que tenham sustentação jurídica, para tentar buscar uma solução para a dívida bilionária da Oi. Um grupo de trabalho foi criado pelo governo e liderado pela AGU para buscar uma solução para a questão da operadora.

Entre as opções possíveis, a ministra afirmou que estão na mesa hipóteses como o enquadramento de parte da dívida de mais de R$ 10 bilhões da Oi com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) nas regras de financiamento previstas na Medida Provisória 780, o chamado Refis das autarquias.

Há ainda possibilidade de negociar um acordo para conversão de parte das multas recebidas pela operadora em investimentos. Grace também não descartou alongamento de prazos para pagamento das dívidas.

Nesta quarta-feira termina o prazo para que a Oi protocole seu plano de recuperação na Justiça. A expectativa é de que o documento contemple uma capitalização de R$ 9 bilhões na empresa. Deste montante, cerca de R$ 6 bilhões virão de dinheiro novo a ser desembolsado por acionistas e credores e os R$ 3 bilhões restantes, por meio de conversão de dívidas em ações. Fonte: G1