CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

TV SE LIGA

CLIP GOSPEL

Novos patrimônios vivos de Pernambuco são diplomados em cerimônia no Recife


Os novos patrimônios vivos de Pernambuco, eleitos em julho deste ano, foram diplomados em uma cerimônia no Teatro Santa Isabel, na região central do Recife, nesta quinta-feira (17), também Dia Nacional do Patrimônio Histórico. Com os seis novos eleitos, o estado passa a somar 51 titulados. 

A Praça da República, diante do teatro, virou palco para a apresentação dos bacamarteiros do Cabo de Santo Agostinho, que acordaram o bairro, com música, cultura e tiros. A sociedade é uma das seis homenageadas com o título.

“É uma alegria muito grande receber essa homenagem. Isso faz com que se evidencie essa prática pernambucana, que é da nossa cultura como o frevo e o maracatu”, aponta o capitão do grupo, Ivan Marinho.

Os diplomas foram entregues pelo governador Paulo Câmara. Os demais eleitos foram a parteira tradicional Maria dos Prazeres; o Mestre Chocho, representante do choro em Pernambuco; o fundador do Balé Popular do Recife, André Madureira; o ator José Pimentel e a manifestação cultural Reisado Inhanhum.

Primeira presidente da Associação das Parteiras Tradicionais e Hospitalares de Jaboatão dos Guararapes, fundada em 1994, Maria dos Prazeres de Souza é responsável pela realização de mais de cinco mil partos. "Eu tenho 60 anos de trabalho com as comunidades, trabalhando em vários hospitais. A maior recompensa que eu tive foi atender todo esse pessoal e dizer para a comunidade que tive óbito zero", afirma.

Com 90 anos de idade e 70 de carreira, Otaviano do Monte, conhecido como Mestre Chocho, se emocionou com a homenagem. "O recado que eu deixo para os seguidores da minha arte é que a música faz bem. Quem tiver admiração pela música, deve se apegar a ela com a alma", define o músico.

Fundador, diretor e coreógrafo do Balé Popular do Recife, grupo que originou o segmento de dança popular cênica no estado, André Madureira acredita que ser homenageado na própria terra é especial. "Eu me sinto muito feliz com o reconhecimento da minha própria terra, em que tanto trabalho", aponta. Fonte:G1