CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

TV SE LIGA

CLIP GOSPEL

Comerciante é encontrado morto dentro de carro em Caruaru, PE


No final da manhã desta segunda-feira (07), foi encontrado morto dentro do seu veículo na Avenida Agamenom Magalhães em Caruaru, o comerciante, Lenildo José Gonçalves, que era conhecido por “Dido de Zezin do Feijão” de 55 anos, que morava em Toritama. O cadáver foi encontrado dentro do seu veículo, um Fiat Pálio preto, placa ELV-6173 de Toritama. Há oito anos ele foi preso acusado de ter cometido um estupro e atualmente estava enfrentando problemas financeiros.


Há uma probabilidade remota dele ter sido assassinado, por isso a delegada chefe da 19ª Delegacia de Homicídios de Caruaru, Dra. Sérvulla Waleska, foi ao local com a sua equipe e acompanharam o levantamento cadavérico. Ela disse que a vítima disse ao filho na última sexta-feira (04) que iria tomar veneno e coincidentemente o seu carro estava estacionado em frente a uma loja fechada, que fica em frente ao prédio onde mora a sua irmã, só que do outro lado da via. Há um forte indício dele ter cometido suicídio, mas a delegada disse que por enquanto ainda não está descartada a hipótese de assassinato.


O perito criminal, Dr. Carlos Henrique, falou que o carro estava trancado por dentro, a vítima estava no banco do motorista, que estava arriado e foi encontrado um pequeno recipiente que foi apreendido para ser periciado que pode ter sido usado para colocar o veneno. Ele disse que como o carro estava trancado a família contratou um chaveiro para abrir o veículo, mas não adiantou e tiveram que arrombar o carro para ter acesso ao cadáver e possivelmente estava morto já, desde a última sexta-feira (04) e pelo avançado estado de decomposição já estava mudando a coloração.

O corpo foi encaminhado para o IML do Recife, ainda como causa indeterminada, ou seja, morte a esclarecer. Fonte: Adielson Galvão