CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

TV SE LIGA

CLIP GOSPEL

Eduardo Campos, Paulo Câmara e Geraldo Julio são citados em delação sobre pagamento de R$ 14 milhões em propina

O ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos, morto num acidente de avião em 2014, foi acusado de negociar a quantia de R$ 15 milhões em propina durante a campanha à presidência da República, no mesmo ano de sua morte. A informação foi repassada pelo diretor da holding J&F, empresa controladora do frigorífico JBS, Ricardo Saud, durante delação no dia 5 de maio, na sede da Procuradoria Geral da República, em Brasília.
Além de Campos, o atual governador de Pernambuco, Paulo Câmara, o prefeito do Recife, Geraldo Julio, o senador Fernando Bezerra Coelho e o ministro das Cidades, Bruno Araújo, também são citados como integrantes das negociações e recebimento de valores.
Segundo Saud, Eduardo Campos receberia mais dinheiro conforme o crescimento de sua campanha presidencial. “Um cara novo, de futuro, aí a gente resolveu investir nele. Nós pusemos lá um limite, pra iniciar, pra ver as coisas. Falamos ‘nós vamos deixar aqui pra você uns R$ 15 milhões de propina, se você começar a crescer, nós vamos melhorando isso aí’, e isso foi feito”, conta.
Ainda de acordo com o diretor, o prefeito Geraldo Julio, o governador Paulo Câmara e uma pessoa chamada Henrique, da empresa HMJ Consultoria, também negociavam o pagamento de propina. “Exatamente no dia que ele [Eduardo Campos] faleceu, eu estava com Henrique, que era a pessoa dele que ele mandava, ou Geraldo Julio, ou Paulo Câmara, para ir tratar das propinas”, detalha.
Apesar da promessa de R$ 15 milhões, Saud explica que o pagamento efetivo foi de R$ 14,650 milhões ao ex-governador de Pernambuco. O pagamento, segundo o delator, foi feito por meio de notas fiscais avulsas e pagamentos em espécie. Desse total, foram pagos R$ 210 mil em junho de 2014, para a HMJ Consultoria, empresa do próprio “Henrique”. Em setembro, houve o pagamento de R$ 1 milhão para a empresa Arcos Propaganda LTDA.
De acordo com o delator, essa empresa participou do esquema após ter sido apresentada pelo senador Fernando Bezerra Coelho (PSB). “Com a morte de Eduardo Campos, Paulo Câmara e Geraldo Julio me procuraram e falaram ‘olha, cara, temos que honrar aí, temos que organizar isso, porque temos que ganhar a eleição agora em Pernambuco, em homenagem a Eduardo Campos. Paulo Câmara tá aí pra ganhar'”, lembra.
Ainda segundo Saud, o pagamento da propina não chegou a ultrapassar o combinado inicial de R$ 15 milhões. “Falamos ‘olha, nós vamos pagar as contas que nos comprometemos, até R$ 14 milhões nós vamos pagar, o resto não vamos pagar mais nada’”. Com a determinação, o diretor da J&F conta que Câmara e Geraldo tentaram aprofundar as negociações. “[Eles disseram] ‘ah, nós não temos condição, estamos na campanha’ e chegamos no meio termo que íamos pagar para não atrapalhar a campanha, e ainda dar uma propina pro Paulo Câmara lá em Pernambuco em dinheiro vivo”, afirma.

O diretor da JBS menciona, ainda, o pagamento de R$ 200 mil em espécie para o ministro das Cidades Bruno Araújo, feito por André Gustavo Vieira da Silva, no Recife.Fonte: G1 Caruaru