CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

TV SE LIGA

CLIP GOSPEL

Se Liga! Capitão Gaudêncio figura importante no desenvolvimento econômico de Belo Jardim.

Belo Jardim se desenvolveu diante da estagnação econômica de Brejo da Madre de Deus, no ano de 1913 os moradores entraram num movimento objetivando a transferência da sede do Município  para o atual território de Belo Jardim.  

Muitos foram os fatores que desencadearam  esse desenvolvimento, entre eles a Ferrovia inaugurada em 1906, tendo esse acontecimento contribuído para a Emancipação Política em 1928. Já no ano de 1913 moravam aqui por nossa terra e elite política e econômica de Brejo: Prefeito, juiz, e coronéis como Antônio Marinho, Pedro Firmino e Geminiano Maciel. Todo esse deslocamento favoreceu uma intensa expansão das atividades econômicas na Vila.  

Em 1923 o Coronel Joaquim Soares inauguraria uma agência de automóveis. Lembrando que o primeiro automóvel pertenceu ao Major João Gomes, figura pouco destacada na História da cidade, embora tenha sido um empreendedor, pois conseguiu com recursos próprios trazer importantes benefícios aos belo-jardinenses. 

No ano de 1923 o Capitão Gaudêncio associou-se ao Barão de Suassuna e importou da Alemanha um motor de 150 HP para funcionar a Empresa de Luz Elétrica, pois até esse período Belo Jardim ainda era iluminada a lampiões de querosene e lâmpadas a álcool. 

O Capitão Gaudêncio inaugurou ainda a arte dos Cinemas em nossa terra, pois partiu dele a inauguração do primeiro cinema de Belo Jardim, o Cine Brasil, que estreou com o filme" A recompensa". Justa é a homenagem da Rua que Capitão Gaudêncio que hoje leva seu nome, pois como citado no

texto ele introduziu no cotidiano de nossa Cidade novidades que somente existiam em grandes Centros urbanos brasileiros.  

Fonte: Livro "A Cidade atravessada"/ Jornal da Cidade.Edição Nº 47 Setembro de 1978 texto:Cibele Santos