CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

TV SE LIGA

CLIP GOSPEL

Polícia Militar diz que padronização das 'resenhas' não é censura à imprensa

PM diz que determinação visa proteger vítimas, acusados e testemunhas, que têm constitucionalmente direitos garantidos, além de evitar que as investigações ou prisões sejam prejudicadas.


A Polícia Militar confirmou por meio da assessoria de imprensa que as informações repassadas diariamente para os veículos de comunicação por meio das resenhas passarão por alterações. Um documento que circula pelas redes sociais, assinado pelo alto escalão da PM, determina que os fatos repassados devem ser apenas "positivos".

Atualmente as resenhas são enviadas com um pequeno histórico de cada caso registrado, por meio das ocorrências policiais. Numa ação envolvendo homicídio, por exemplo, nome, local, data e como foi o crime, são relatados nos documentos, o que não deve mais acontecer após essa determinação.

Segundo a assessoria, a Polícia Militar de Pernambuco, como qualquer instituição militar, possui normas e regras a serem cumpridas em função de seu bom funcionamento. "Esclarece, no entanto, que o documento produzido pela Dinter 1 tem com objetivo normatizar e alinhar a divulgação de notícias, como acontece em todas as instituições públicas e privadas", diz o texto.

Ainda segundo o documento, nenhuma informação, desde que consolidada e segura, seja negativa ou não, deixará de ser repassada para a imprensa por meio da assessoria de comunicação e de porta-vozes da PM. "Tal cuidado, como explica a própria circular, visa proteger vítimas, acusados e testemunhas, que têm constitucionalmente seus direitos garantidos, além de evitar que as investigações ou prisões sejam prejudicadas", relata o texto.

A nota diz ainda que "é importante ressaltar que a Polícia Militar rejeita qualquer tipo de censura e relação que não seja de transparência com a imprensa e a sociedade", finaliza. Fonte: G1