CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

TV SE LIGA

CLIP GOSPEL

'Energia única e especial', diz Rômulo Neto sobre interpretar Jesus na Paixão de Cristo

Rômulo Neto já caracterizado para participar da Paixão de Cristo (Foto: Joalline Nascimento/G1)
Rômulo Neto foi o ator escolhido para interpretar Jesus no cinquentenário da Paixão de Cristo de Nova Jerusalém. O carioca participa pela primeira vez do espetáculo em Fazenda Nova, distrito de Brejo da Madre de Deus.  

Em entrevista ao G1, ele falou sobre o desafio de interpretar o personagem principal da história, de fé e da cena mais emocionante para ele na peça.    

Como foi que você recebeu a notícia de que iria interpretar Jesus Cristo na Paixão?  
Foi uma notícia super agradável. Na hora eu já sabia da responsabilidade que eu iria ter. Foi uma comemoração, porque sempre é legal você pegar um trabalho que almeja, que gostaria de executar. Então, na hora foi alegria e ao mesmo tempo já veio o peso da responsabilidade. Foi uma comemoração já consciente do compromisso que eu estava entrando naquele exato momento. Eu adoro o desafio.      

E como é interpretar Jesus Cristo na cidade-teatro de Nova Jerusalém?  
É um grande desafio para qualquer ator que venha, principalmente no primeiro ano. Alguns atores repetem e fica um pouco mais tranquilo. Mas o primeiro ano é sempre muito complicado. São muitas informações e tudo é muito novo.  
Mas é incrível, é uma grande responsabilidade. Tem que ser comprometido e perfeccionista porque a gente faz aqui falas que são pré-gravadas. Então, a gente tem que buscar, para parecer ser real, fazer bem o personagem. E as falas têm que estar bem certas com o áudio que sai. Então, seu gesto de boca tem que estar alinhado. Para isso, você tem que estar 100% do tempo muito ligado. É muito bom passar essa mensagem para o público que vem até aqui.  
Quanto maior o público, mas gostoso de fazer é, porque é maior o número de pessoas que você está tocando com essa história. É uma energia única e especial. Além de tudo, é a céu aberto, o que para mim é o grande diferencial.    
Tem alguma cena específica que te emociona mais durante o espetáculo?   
A que eu fico mais emocionado é a via crucis, logo depois tem a crucificação. Então, essas duas cenas, para mim, são as mais fortes.   

Você tem uma oração tatuada nas costelas. Então, você se considera uma pessoa de fé?  
Sem sombra de dúvidas. Não necessariamente católico, apesar de ter crescido como católico, em uma família católica. Eu gosto dessa religião, sigo algumas coisas, vou a algumas missas quando tenho vontade de ir. Mas não sou apegado somente ao catolicismo. Sou apegado a outras filosofias de vida, estudos, crenças... Então, eu tenho uma mistura. Eu me identifico com um pouco de cada uma. Gosto de cabala, budismo, espiritismo, catolicismo... Sigo um pouco de todas elas. Acho que o mais importante é a fé e estarmos apoiados a crenças que temos como verdade. Fonte: G1 Caruaru