CRIMES

[Crimes][grids]

NOTÍCIAS

[Notícias][stack]

POLÍTICA

[Política][grids]

ESPORTE

[Sportes][stack]

Se Liga Fest

[SE LIGA FEST][grids]

RELIGIÃO

[Religião][grids]

CIDADES

[Cidades][stack]

CULTURA

[Cultura][grids]

TV SE LIGA

CLIP GOSPEL

Com salários atrasados, alguns atletas do Central fazem "greve" e não jogam

Volante Bruno não entrou em campo contra o Salgueiro 

O Central sofreu neste domingo a sétima derrota no hexagonal do Título do Campeonato Pernambucano. Mas, poderia ter sido pior. Aproximadamente dez jogadores da Patativa não treinaram durante a semana e não entraram em campo diante do Salgueiro. Os atletas só jogariam se recebessem os salários atrasados, mas isso não aconteceu.

A Patativa teve que recorrer a jogadores da base que não estavam treinando. Eles foram convocados as pressas para que a equipe pudesse entrar em campo. Entre os jogadores líderes do movimento estão o atacante Azul, o meia Arthur e os volantes Naldinho, Vágner Rosa e Bruno. Este último afirmou que está há dois meses sem salário.

Estão falando que vão punir sem direito nenhum. Estão devendo me devendo dois, três meses. Isso não existe. Fizemos um movimento para ver se o dinheiro saia antes do jogo. Mas não dissemos que não jogaríamos.  Tem jogador que chega há seis meses sem receber. Nós temos família.

Vagner Rosa também lamentou a situação e disse que não tem como entrar em campo sem receber.

Paralisamos por falta de pagamento. Nos reunimos dizendo que iríamos pro jogo. Mas a noite disseram que iriam para a base. Eu mesmo estou com dois meses atrasado. Tenho filho e assim fica difícil.

Presidente da Patativa, Lícius Cavalcanti amenizou as declarações. Segundo o cartola, os ânimos estão controlados no Lacerdão.

Não houve greve. O time jogou muito bem. Apenas um grupo de jogadores estão atrasados há algum tempo. Demos oportunidade aos jogadores, temos ajudado alguns jogadores jovens, e agora estão cobrando. Isso é um absurdo. O time não vinha ganhando e cobrando. Mas, apenas um grupo se rebelou. A tranquilidade impera no Central. Fonte:GEPE